URGENTE: Vítima do ebola ressuscita dos mortos na África e OMS tenta abafar o caso

foto-pronta

Em uma reviravolta surpreendente para a história do surto de Ebola, o Governo da Libéria acusou os Estados Unidos de propositadamente espalhar o Ebola Virus em uma tentativa de testar uma arma biológica. Uma consequência não intencional infeliz.

O crime contra a humanidade é que as vítimas de Ebola estão agora ressuscitar dos mortos neste país Africano sitiado. Imagens capturadas mostra um homem levantando dos mortos depois mortalmente sucumbir ao vírus Ebola. O nome desta vítima está sendo retida pela Organização Mundial da Saúde por preocupações com a privacidade. Alguns acreditam que as preocupações sobre a segurança do homem e a família é a verdadeira razão para o embargo de sua identidade. Acredita-se a forma original do vírus como arma se transformou em que só pode ser descrito como um vírus zumbi. Com Texas agora lutando com um surto de Ebola, há um medo dos mortos-vivos virem a evoluir para uma nova forma mais assustadora. O estado de Kansas atualmente está preocupado não apenas com o surto de Ebola de seu vizinho do Sul, mas também está muito preocupado com relação a um surto resultante de Zombies. Sam Brownback, o Governador do Kansas, emitiu uma ordem executiva declarando outubro “mês da consciência da Zombie”.

KANSAS EM ALERTA SOBRE SURTO DE ZUMBIS?

O Estado do Kansas repousa em estado de alerta elevado sobre esta preocupação muito real de um surto de zumbis. Correspondências de panfletos estão sendo enviados no Kansas alertando seus cidadãos como prevenir tanto Ebola e o ataque de zumbis resultante. Note-se que esta história está em sua fase infantil e está se desenvolvendo rapidamente. Espera-se que Ebola ultrapasse mais 5 milhões de vítimas nos próximos dois meses e se não tratada irá resultar em morte certa. É importante continuar a seguir esta história na mídia como também estar bem preparado para quando este surto atingir sua comunidade.

(Via agencia de noticia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *