Revelação: Morte de Domingos poderia ser evitada e Brasil fica em choque

foto-pronta

Nesta semana, a morte do ator Domingos Montagner, o ‘Santo’ de ‘Velho Chico’, acabou chocando todo o Brasil. No entanto, uma reportagem exibida na noite deste sábado, 17, no ‘Jornal Nacional’, acabou mostrando que o afogamento do profissional da dramaturgia poderia ter sido evitado. O local onde Domingos não suportou a força das correntezas, o município de Canindé de São Francisco, no estado de Sergipe, estava há cerca de um ano sem qualquer sinalização, como boias que indicassem até onde os turistas deveriam nadar.

De acordo com a reportagem da TV Globo, o local passou por grandes transformações e reformas. Por lá, salva-vidas trabalhavam, mas foram demitidos. Fotos de Domingos chegaram a ser compartilhadas nas redes sociais. O par de Camila Pitanga na novela das nove acabou sendo levado pela correnteza quando tomava banho no rio que dá nome a história. Caso essas antigas boias e os salva-vidas ainda tivessem no local, a morte poderia ter sido evitada. Isso porque o local é considerado muito perigoso. A atriz Camila Pitanga também teve dificuldades para sair da água. Um vídeo dela desesperada chegou a cair na internet.
As boias que estavam no local antes da tragédia aconteceu indicavam até o fim da área que podia ser usada. Além disso, elas eram usavas como uma forma de descansar do nado. A correnteza na região acaba formando um fenômeno natural, os redemoinhos. Isso pode ter sugado o corpo de Domingos para baixo. O ‘Jornal Nacional’ apontou que o local é utilizado para turismo, onde mais de 200 mil pessoas aparecem por lá todos os anos.

No dia em que Montagner morreu afogado, não havia qualquer tipo de sinalização no local. A prefeitura da região conta que as boias foram retiradas para uma reforma que custou mais de R$ 6 milhões aos cofres estaduais. Mesmo entregue em agosto, o trecho não estava sinalizado. Antes, 11 salva-vidas trabalhavam na região, mas agora não há nenhum. O município revela que está impedido de atuar pelo Ministério Público Federal (MPF), que investiga a obra.

(Via agencia de noticia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *