Quando esta garota de 6 anos ligou para a polícia para denunciar seu padrasto, ela não tinha ideia do que ele faria com o bebê. Uma história muito triste.

foto-pronta

É como o inferno na Terra. E pode acabar com uma vida humana para sempre. Sim, estamos falando da violência doméstica. Geralmente pequenas e indefesas, as crianças são quem mais sofrem nas mãos dos adultos. Aqui está um trecho de uma chamada de uma garota de 6 anos para a polícia.

21 de novembro de 1990. A situação é crítica na casa de Lisa, com seu padrasto passando por cima de tudo o que vê pela frente.

Durante a infância de Lisa, houve inacreditáveis 23 episódios de violência contra crianças relatados em sua casa. Apesar deste número medonho, nem ela nem sua irmã foram resgatadas dali. Agora, 24 anos depois, Lisa ainda deseja que alguém tivesse feito isso. Ela diz: “Mesmo que eu não quisesse um novo lar na época, teria sido muito melhor para mim”.

Hoje, Lisa é uma jovem capaz de lidar com as circunstâncias de sua infância da melhor maneira que pode. Mas nunca se esquecerá do que aconteceu. Inúmeras feridas permaneceram, sobretudo em sua alma. Em seu diário online, ela escreve sobre sua infância abertamente e frequentemente de maneira bastante emotiva. O motivo pelo qual faz isso é para que outras pessoas fiquem sabendo sobre os perigos da violência doméstica. Porque às vezes os afetados simplesmente não tem coragem de falar sobre o assunto. Às vezes eles precisam de apoio vindo de fora da situação. É por isso que o desejo mais sincero de Lisa para pessoas na mesma situação é: “Mesmo na menor suspeita de violência doméstica ou familiar, intervenha! Fale com os que estão sendo afetados e busque ajuda. Nunca olhe para o outro lado e nunca se cale. Levante sua voz! Pode ser uma questão de vida ou morte. Como era na minha família!”

Compartilhe esse inocente grito de desespero por ajuda e sua profunda mensagem como mulher. Quando há violência, não há desculpas. O único jeito de escapar é enfrentando o problema. Especialmente se há crianças envolvidas. O número estimado de casos não relatados ainda é muito alto. Muitos olhos ainda precisam ser abertos. Ajude a espalhar essa mensagem!

(Via agencia de noticia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *