Quando a filha dela nasceu, parecia ter sido vítima de queimadura. O que esta mãe que sofreu bullying manteve em segredo por tanto tempo?

foto-pronta

Danni Latham, de Sutton Coldfield, Inglaterra, estava ansiosa por uma vida com sua filhinha quando deu à luz em 20 de julho de 2014. Ela havia sonhado por muito tempo em ser mãe e agora isso finalmente estava acontecendo. Os vários exames de ultrassom não haviam encontrado nada de errado com a bebê e ela sentia como se não tivesse nada com o que se preocupar. Mas quando a bebê de Danni finalmente chegou e ela a segurou, os médicos notaram que algo não estava bem. A criança estava gritando e estava obviamente sentindo muita dor.

Ao avaliar melhor, ele puderam ver que o bebê não tinha pele em suas mãos e pés. Os médicos pensaram que a filha de Danni estava sofrendo de infecção e que o tratamento com medicação resolveria o problema. A jovem mãe confiou nos médicos, mas não fazia ideia de quão ruins as coisas ficariam.

Danni acordou no meio da noite no hospital para descobrir um grupo de médicos reunidos em volta do leito de sua filha recém-nascida. A infecção de Isla havia piorado drasticamente e a vida dela estava em perigo. Nenhuma das enfermeiras tinha experiência com um caso como este: a medicação que eles deram a ela só vez sua condição piorar! O corpinho dela estava coberto de bolhas vermelhas e anéis e a equipe do hospital não conseguia encontrar nenhum tipo de creme ou medicação que pudesse ajudar. Quando os médicos disseram a Danni que sua filha só sobreviveria por mais seis semanas, ela ficou assustada e desesperada.

Mas finalmente os médicos conseguiram diagnosticar o problema de Isla: uma doença genética rara chamada epidermólise bolhosa (EB). Bebês com esta condição são às vezes chamados de “criança borboleta” porque a pele delas é tão delicada como as asas de uma borboleta. Até mesmo a mais leve fricção na pele pode causar bolhas ou sangramento. E a pior parte é que a doença não tem cura.

Algumas formas de EB são mortais, mas, felizmente, Isla tem o tipo que não é tão severa. Mesmo assim, a jovem mãe e sua recém-nascida enfrentaram um duro caminho.

Nos piores dias, a doença é quase insuportável para Isla. Ela chora muito e a dor pode durar horas. Danni faz o que pode, mas é muito difícil aliviar esse tipo de dor. E quando a dor física está sobre controle, há outras formas de dores emocionais para se lidar. Desconhecidos se aproximam de Danni nas ruas e a acusam de maltratar a filha. Como as feridas de Isla normalmente se parecem com queimaduras, muitas pessoas pensam que Danni a deixa no sol sem protetor solar.

Mas Isla e sua mãe são corajosas e formam uma grande dupla. Hoje Isla tem dois anos e provou que os médicos estavam errados em seu prognóstico. Danni cuida da filha todo dia drenando os fluidos de suas bolhas com uma seringa, passando loção medicinal em sua pele e fazendo curativos nas feridas.

Quando Danni vê com quanta coragem sua filha está lutando contra o seu destino, ela sabe que tudo vale a pena. Porque, apesar da dor, elas continuam a ter muitos momentos bonitos e felizes juntas, e esses momentos não têm preço. Danni faz absolutamente tudo por sua pequena “menina borboleta”, inclusive organizando campanhas de doações para ajudar com os custos médicos. O tratamento que Isla mais precisa é muito caro e Danni está disposta a fazer tudo o que for necessário para garantir que ela o receba. Qualquer pessoas interessada em ajudar pode visitar o website da campanha delas e fazer uma doação.

Juntas, essas duas com certeza conseguem e mostram ao mundo que Isla pode ter uma vida maravilhosa, apesar de sua doença. Por muitos anos Danni não foi capaz de falar abertamente sobre a condição da filha, mas agora ela está preparada para dizer ao mundo a verdade, pois esse é o único jeito dela poder ajudar a menina.

(Via agencia de noticia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *