O médico vê o raio X de uma paciente e fica chocado. Como isso é possível?

foto-pronta

O dr. Kenneth Hansraj, de Nova York, é especialista em coluna. Nos últimos anos ele fez uma descoberta que o deixou espantado ao olhar os raios-X de vários pacientes. Suas constatações, que deram origem a um estudo que publicou recentemente, são preocupantes.

Nós passamos até 4 horas diárias com a coluna dobrada olhando para laptops ou smartphones. Os adolescentes passam até 5.000 horas por ano escrevendo mensagens ou surfando na internet. Essa postura de olhar para baixo pode levar a um inesperado problema: uma forte e constante dor na região do pescoço.

As dores são causadas pelo fato de a posição natural da coluna ser substituída por uma posição em forma de S. Normalmente, a coluna fica inclinada 40 graus para frente. Mas os raios-X de pacientes jovens mostraram algo chocante: inclinações bem menores e até mesmo para o lado oposto do normal.

Normalmente são necessários vários anos para uma deformação deste tipo, que geralmente ocorria apenas com pessoas idosas. Mas através do uso extremo de smartphones, sobretudo crianças e adolescentes também são afetados, uma vez que seus corpos ainda não estão totalmente formados. Além de fortes dores nas costas e no pescoço, a postura errada pode ocasionar ataques de enxaqueca, dificuldades para respirar e dormência nos braços.

Para evitar várias horas de fisioterapia, a principal coisa a se fazer é: prevenir. Movimentar-se e fazer exercícios físicos é naturalmente o mais importante. Olhar para o celular com a coluna reta, colocando-o diretamente na frente do rosto, em vez de olhar para baixo, também ajuda bastante, por mais estranha que essa posição possa parecer.

É realmente alarmante a influência que os smartphones podem ter na nossa saúde. É necessário que nos esforcemos o máximo possível para evitar que nossa coluna fique torta, afinal de contas, nós só temos um corpo. Se essa nova enfermidade moderna também te deixou alarmado, ajude os outros a ficar sabendo sobre os perigos do celular para a coluna e compartilhe esta notícia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *