Mulher foi condenada e sentenciada a quatro anos e oito meses de prisão.

Mulher foi condenada e sentenciada a quatro anos e oito meses de prisão.

foto-pronta

Você provavelmente já deve ter ouvido a frase: “esse mundo está perdido”, pois bem, realmente está mesmo, crimes e coisas inacreditáveis ocorrem diariamente, chocando a sociedade. São assassinatos, agressões e demais fatos que realmente explicam a falta de confiança e otimismo da população.

Um outro exemplo bárbaro e condenável pela maioria, e que já está frequentemente fazendo parte das notícias lidas e ouvidas regulamente pelas pessoas, é o #incesto. Para quem não sabe, incesto é a prática de qualquer tipo de relacionamento sexual ou marital entre pessoas que gozam de algum grau de parentesco, é totalmente condenado em praticamente todas as culturas humanas existentes, e, na maioria dos países, é considerado proibido e crime mesmo que há consentimento de das partes envolvidas. Além de ser veementemente repreendido e tido como pecado pela maioria das religiões.

Um caso repercutido recentemente de incesto tornou-se um dos assuntos mais comentados da internet. O acontecimento chocou e gerou revoltas na população, porque, além de se tratar de um caso já condenável e inaceitável (o ato do incesto), ainda foi filmado por uma das partes envolvidas.

A ocorrência foi na Califórnia nos Estados Unidos, Rebecca Atkinson, de 32 anos aparece em um vídeo tendo relações sexuais com o próprio filho de apenas 16 anos de idade. A mulher foi presa em flagrante em um motel em Ukiah, Califórnia, ela estava acompanhada do filho que gravou as cenas da própria mãe em cenas quentes com ele. Rebecca fala sobre o caso, e classifica o relacionamento dos dois com tração genética, visto que ambos ficaram separados por 15 anos.

O garoto morava com o pai, e começou a se comunicar com a mãe Rebeca através de uma rede social, desde então, a mulher começou a enviar para o filho fotos dela nua e mensagens picantes. Rebecca Atkinson escreve na carta ao Tribunal Superior do condado de Napa, que não considera o que ela fez um incesto, e sim “atração genética”, que é uma disfunção psíquica que explica a atração sexual de parentes que ficam longes por muito tempo.

Mesmo assim, a mulher foi condenada por incesto e pegou uma pena de quatro anos e oito meses de prisão, segundo informações do site “Mail One”

(Via agencia de noticia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *