Homem diz ter encontrado “sereia” morta em praia deserta e vídeo explode na internet…

ft-pronta

O inglês Paul Jones encontrou algo bizarro na praia, e demorou apenas 15 minutos após a postagem em seu Facebook para que o mundo ficasse de boca aberta, gerando muita discussão.

Segundo o Jones, o corpo pode ter chegado ali varrido pelo vento. Considerando que seja verdade, a criatura teria abandonado as águas quentes e tropicais para nadar entre plataformas de petróleo, traineiras de pesca, balsas e navios de cruzeiro no frio Mar do Norte.

No post original, no Facebook, ele escreveu: “Hoje, em Great Yarmouth, encontramos o que parece uma sereia morta na praia. As imagens bizarras mostram o corpo em decomposição de uma criatura, semelhante ao corpo humano e com uma cauda de peixe, deitado na areia. Enquanto o tronco parece estar apodrecendo, a cauda parece ter ficado relativamente intacta”.

Em apenas dois dias as imagens foram compartilhadas mais de 15 mil vezes, gerando um intenso debate nos comentários da publicação. Enquanto alguns usuários apoiavam sua afirmação, outros diziam se tratar de uma foca morta – porque na costa leste há uma grande colônia de focas cinzentas.

No entanto, a julgar pelas imagens de sua página no Facebook, Jones é um grande entusiasta do místico, especialmente de figuras associadas ao Halloween, o que pode comprometer um pouco sua credibilidade. Ainda na rede social, ele é membro de um grupo chamado de Horror e Halloween DIY, que basicamente ensina as pessoas a produzirem fantasias.

A visão moderna que temos sobre as sereias foi particularmente moldada pelo conto de Hans Christian Andersen, “A Pequena Sereia”, escrito em 1836. Tratam-se de criaturas míticas com metade mulher e metade peixe, enquanto sua versão masculina é chamada de tritão.

Conforme contam as lendas, a metade de cima da cintura é sempre uma bela e jovem mulher, e na metade de baixo está a cauda de um peixe. As histórias associadas às sereias existem há milhares de anos. As primeiras supostas observações foram feitas pelos árabes e gregos em 586 d.C.

ft-pronta

(Via Agencia De Noticias)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *