Estes bebês são guardados em um buraco na parede. Suas mães são as culpadas.

foto pronta

Todos os anos, centenas de recém-nascidos são abandonados em Seul, capital da Coreia do Sul. A maioria tem deficiência física ou mental, ou nasceram de pais que não se casaram. Neste país asiático, ter um filho fora do matrimônio é algo visto com maus olhos. Já as crianças com deficiência são tratadas como uma desonra para a família. Quando ninguém ajuda esses bebês abandonados, eles acabam morrendo ou indo parar em orfanatos.

Enquanto esta “epidemia” de abandono de bebês parece ficar pior a cada ano, um homem decidiu salvar essas crianças destinadas a morrer.

Lee Jong-Rak é um humilde pastor que ficou sabendo desse problema e decidiu que precisava achar um jeito de dar uma oportunidade melhor a essas crianças.

 Essa decisão mudou radicalmente a vida do pastor Lee. Ele construiu em sua casa uma estrutura que apelidou de “Baby-Box” (caixa de bebês, em tradução livre). A estrutura consiste de um buraco na parede da casa do pastor, que dá acesso à caixa onde os bebês podem ser depositados. O local é aquecido e forrado com cobertores, para que os pequenos não morram de frio. Ela também é equipada com um alarme, que informa ao pastor imediatamente toda vez que um novo bebê é colocado ali.

O objetivo de Lee era dar uma alternativa às mães desesperadas de Seul. O pastor viu que a alternativa era extremamente necessária, uma vez que observava diariamente a situação desesperadora dos bebês da cidade: ele chegou até mesmo a ver uma mãe que queria envenenar seu filho para se livrar da criança. Ele mal podia acreditar no que estava testemunhando.

Com muito esforço, o pastor conseguiu convencer a mulher a não matar a criança. A partir daí, ele teve ainda mais certeza de que a construção da caixa havia sido uma decisão absolutamente acertada.

As crianças não paravam de chegar. De dia ou de noite, ruidosa ou silenciosamente. Algumas vinham acompanhadas de cartas. Sozinho, ele adotou seis desses bebês abandonados em apenas um ano. Com o pastor, as crianças têm uma vida muito melhor que em orfanatos. Elas são tratadas como filhos por Lee e sua mulher. Eles criam e educam as crianças, que se não fosse por eles – e pela invenção da “Baby Box”- poderiam estar mortas ou na rua.

O pastor Lee “ama aqueles que ninguém ama”, dizem os sul-coreanos sobre ele. Este homem tem um coração de ouro. Ele chama para si a responsabilidade que é de pessoas que não a tiveram. Compartilhe essa história e mostre às pessoas que ainda existem seres humanos fantásticos neste mundo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *