Este jovem de 24 anos não vai o banheiro há 2 anos…

O médicos retiram 4 metros das entranhas deste rapaz. Tudo porque ele vomita 30 vezes por dia.

p

Quando o inglês Ste Walker começou a vomitar de 20 a 30 vezes por dia em junho de 2012, ele logo se deu conta de algo estava muito errado com seu corpo. Para piorar a situação, o rapaz jogava rugby e acabou tomando uma pancada durante uma partida. Estes dois fatores fizeram com que sua saúde se deteriorasse rapidamente, levando o jovem de 24 anos a viver seu pior pesadelo.

Ste procura ajuda e é diagnosticado com a doença de Crohn, uma enfermidade intestinalcrônica que pode causar inflamação no sistema digestivo inteiro. Então ele fica internado por muitas semanas e tem que ser submetido a mais de 80 cirurgias ao longo de 2 anos. Nessas operações, seu intestino inflamado é removido pouco a pouco.

Porém, os muitos meses de luta danificam a saúde do rapaz e ele passa a ser considerado como inapto para trabalhar, recebendo, por isso, uma ajuda financeira mensal do governo inglês. Mas como ele parece, à primeira vista, saudável, as pessoas tendem a achar que o benefício é injusto e Ste precisa continuamente explicar o seu problema. Cansado desta situação, ele resolve escrever um desabafo no Facebook, descrevendo sua dolorosa luta diária

“Hoje em dia, as pessoas julgam os outros muito rápido. Só porque eu pareço normal e falo de maneira normal, isso não quer dizer que eu não tenha um problema grave de saúde... Quemolha para mim, vê um cara normal da minha idade. Mas isso é porque eu quero que as pessoas me vejam desta forma. Olhe com mais atenção ou me faça perguntas e você logo vai perceber que eu tenho uma doença grave

Eu tenho uma ‘linha de Hickman’, que é um catéter que sai do meu peito e repousa em meu coração. Isto é o que é usado para me alimentar com algo chamado TPN porque meu estômagonão funciona corretamente.

Eu tenho um tubo gástrico artificial que vai do meu nariz até meu estômago, para ajudar a drenar o conteúdo deste órgão; isto porque meu estômago não esvazia como o de uma pessoanormal.

Eu tenho uma cicatriz que vai do centro do meu peito até o topo da minha púbis. Esta é a prova de que fui “aberto” 3 vezes nos últimos 2 anos por causa de cirurgias que salvaram a minha vida.

Eu tenho uma ileostomia ou estoma (como são mais comumente conhecidas). Isso quer dizer que uma parte do meu intestino delgado sai do meu abdômen, onde eu conecto uma espécie de bolsa para coletar fezes. Eu preciso fazer isso porque as minhas entranhas estão cheias da doença de crohn, de úlceras, estenoses, fístulas, seções estreitas, tumores etc.

Uma pessoa normal tem cerca de 6 metros de intestino delgado e 1,5 metros de intestino grosso. Devido a todas as minhas cirurgias eu tenho 90 cm de intestino grosso e apenas 2,5 mde intestino delgado. Isso causa grandes problemas: a síndrome do intestino curto (SBS) é um deles. Isso me leva a ter uma grande saída em meu estoma, o que, por sua vez, me faz ficar desidratado. Isso também significa que eu não consigo absorver os nutrientes da comida (e é por isso que eu me alimento completamente através de um tubo) e eu não absorvomedicamentos orais, líquidos ou comprimidos pois todos estes são normalmente absorvidos no intestino delgado.

Eu tenho uma parte do intestino ligada ao meu estômago porque o meu duodeno está cheio de estenoses e de doenças e, por isso, meu estômago não consegue se esvaziar por lá. Esta ‘curva’ no intestino, ligada ao estômago (gastrojejunostomia, cirurgia de ligamento do estômago ao jejuno) foi concebida para resolver este problema mas, porque meu estômago ficou sem uso por muito tempo, ele não começou a trabalhar novamente e é por isso que eu ainda tenho que usar um tubo gástrico.

Toda a minha medicação tem que ser ministrada por via intravenosa e eu tomo meus remédios através da minha linha de Hickman. Isto significa que, pelo menos, eu posso usar remédios para me ajudar na recuperação. Porém, a desvantagem é que este método tem causadoentupimento numa das artérias no meu fígado. Meus rins também não estão na melhor forma,porque eu estou constantemente desidratado.

Além disso, eu tenho também problemas adicionais que são consequência da doença deCrohn. Coisas como osteoartrite nos joelhos, provocada pelo uso prolongado de esteróides,gastroparesia por não usar o meu estômago há tanto tempo, síndrome de dor crônica, ansiedade por esta gastando todo o meu tempo de vida dentro de um hospital… Estes sãoapenas alguns exemplos.

– Todos os dias, eu não tenho que lidar apenas com essas condições físicas. Eu travo também intensas batalhas mentais cotidianas. Não ser capaz de comer uma refeição em 2 anos, ter estado em casa durante apenas 4 semanas nos últimos 18 meses, estar longe da minha família e amigos – e ver o que minha doença tem feito com eles – tudo isso tem um efeito enorme sobreo meu estado psicológico.

Então, da próxima vez que alguém me disser você parece perfeitamente saudável, por que está usando esse banheiro para deficientes? Ou por que você estacionou nesta vaga para deficientes? Você está enganando os outros, você não é deficiente, você não precisadesta bengalasimplesmente pare e pense que talvez eu apenas queira FICAR BEM ou me sentir normal. Você não sabe pelo que eu passei e você não tem o direito de me julgar apenas com base nas aparências, porque você não sabe o que aconteceu dentro do meu corpo… Por isso, pare e pense antes de falar, reflita sobre a minha luta diária para me levantar da cama, me vestir e tentar parecer “normal”…

Desculpem o post super longo, mas eu precisava desabafar! :)”

Estas palavras mostram que, apesar de sua grave doença, Ste segue sendo um rapaz corajoso e forte. Ele luta com tudo que pode contra o seu problema de saúde e não pretende desistir de tentar viver sua vida normalmente.

As aparências realmente enganam e muitas vezes, ao olhar alguém, nós não fazemos ideia do que aquela pessoa já passou. Por isso é importante compartilhar a história de Ste Walker. Ninguém deveria julgar rapidamente os outros.

(Via Agencia De Noticias)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *