Esta menina não come faz 2 anos. Quando ela coloca um biquíni, as palavras de uma estranha mudam tudo!

Sara Gebert tem 20 anos e mora em Nova Jersey, nos Estados Unidos. Em 2013, ela foi diagnosticada com uma doença chamada Pseudo-Obstrução Intestinal Crônica (CIPO).

foto-pronta

Sara Gebert tem 20 anos e mora em Nova Jersey, nos Estados Unidos. Em 2013, ela foi diagnosticada com uma doença chamada Pseudo-Obstrução Intestinal Crônica (CIPO). Esta rara doença afeta o tubo digestivo e impede a jovem de comer ou beber por conta própria. Quando descobriu o problema, Sara chegava a vomitar até 60 vezes por dia! Os médicos então decidiram que ela teria que se alimentar através de uma dieta artificial, a ser inserida diretamente no seu estômago. Para que a comida chegasse até este órgão, cirurgiões instalaram tubos conectando as parte internas e externas de seu corpo. Sara agora carrega uma bolsa de plástico pendurada na sua cintura, e parou de ingerir líquidos e sólidos pela boca faz 2 anos. Um dia, quando Sara estava de férias, ela teve um encontro extraordinário com uma mulher. Emocionada, ela contou a história no seu Facebook. O que ela escreveu é inspirador!

“Eu não sei se foi difícil para você se aproximar de mim na praia, mas eu posso dizer que, em geral, eu tenho dificuldade em falar com estranhos. Entretanto, você caminhou até mim com tanta firmeza que ninguém jamais teria imaginado qualquer problema de auto-confiança em nenhuma de nós. Você enxergou exatamente o que eu era naquele momento: uma menina assustada, tentando com todas as minhas forças não deixar que ninguém percebesse o medo nos meus olhos.

Eu não sei se foi por isso que você veio até mim, mas eu gostaria de te agradecer. Viver com uma doença crônica não é uma tarefa fácil, e esta situação fica ainda mais difícil quando a doença muda a sua aparência exterior, exatamente como aconteceu comigo. Quando estou vestida, ninguém percebe nada, e sou apenas mais uma garota “normal”. Mas na praia as coisas são bem diferentes.

Na praia, todos expõe seu corpo, e eu sou obrigada a “deixar tudo pendurado”, literalmente. Eu tenho uma ileostomia, e tenho 2 tubos saindo da minha barriga, e isso não é algo que você vê todos os dias. Eu estou acostumado com eles – para mim eles são normais. Mas para todo mundo, eu pareço um personagem de filme de ficção científica. Mas você… Você me viu como uma pessoa. Você não olhou para o meu equipamento, você me olhou nos olhos. E então, você me agradeceu.

Eu não sei se você percebeu, mas eu fiquei totalmente desnorteada. Algumas pessoas às vezes se aproximam de mim para me chamar de nojenta, ou para me perguntar coisas como: “Você realmente vai entrar assim na piscina?” Então, quando você veio na minha direção, eu me preparei para o pior. Mas o que aconteceu em seguida ainda me deixa emocionada. Você me agradeceu por ter colocado um biquini e por estar linda nele. E você me contou sobre a ileostomia que você tinha, e também falou que você retirou todo o seu intestino grosso. Você me disse que eu era uma fonte de inspiração. E isso significou muito para mim.

Quando eu estava me preparando para esta viagem, eu me torturei por horas tentando decidir qual biquini colocar na mala. Por fim, eu acabei trazendo todos os biquinis que tinha, e trouxe também dinheiro para comprar um novo, porque eu achava que nenhum deles escondia meu problema o suficiente. Naquela manhã em que nos encontramos, eu havia decidido espontaneamente vestir o meu biquini como se eu não tivesse nada pendurado na minha barriga. Eu estava muito nervosa. Toda adolescente tem complexos em relação a seu corpo e, desde que fiz minha ostomia, os meus grilos se multiplicaram por 100. Quando você se aproximou, eu tinha acabado de chegar na praia e já estava me sentindo desconfortável, pensando que todos estavam olhando para mim. Mas após falar com você por alguns minutos, todas as minhas preocupações foram embora. Naquele momento, eu percebi que a minha aparência não era importante. Pelo resto das minhas férias o meu único problema com biquinis foi perceber que eu tinha seriamente exagerado, e que provavelmente eu não usaria nem a metade do que tinha levado na mala!

Então, muito obrigada. Obrigada por restaurar minha fé na bondade das pessoas. Obrigada por me ajudar a me sentir confortável com meu próprio corpo. E finalmente, obrigada por me encher de auto-confiança, fazendo com que eu aproveitasse minhas férias ao máximo.”

Esta menina corajosa não se deixou abater pelo seu problema, e fez questão de seguir sua vida desfrutando de tudo que o mundo oferece. Às vezes pode ser difícil se sentir diferente, mas a bondade de uma estranha mostrou a Sara que a opinião dos outros não é o importante. Se esta história também te inspirou, compartilhe estas palavras com todos que você conhece! A mensagem é uma só: ninguém deveria sentir vergonha do seu corpo. Cada um é bonito exatamente como é.

(Via agencia de noticia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *