Esse vestido ficou mergulhado na água do Mar Morto por 2 anos. A natureza o transformou em…

foto-pronta

Nos tempos de hoje, para criar algo considerado por todos uma obra de arte não é necessário ser um artista. Para falar a verdade, se você não entende sobre estética, não quer dizer que não pode seguir uma carreira relacionada com ela. A única coisa que precisamos é: ter uma ideia sobre o que queremos fazer e como chegar a este ponto e, com isto, estaremos a um passo da obtenção de nossa meta.

Apesar de na atualidade as peças cujo valor chegam a milhões necessitem do uso de ferramentas típicas relacionadas com a arte (ou seja, pinturas, quadros e pincéis, tela ou qualquer coisa do tipo), não quer dizer que o que os artistas inventam nos dias de hoje não podem nos impressionar tal qual as obras dos gênios clássicos da pintura, arquitetura ou escultura. O que você está prestes a ver é uma prova clara disto

Sigalit Landau (n. 1969) é o nome de uma artista de orgiem israelita. Além de produzir esculturas, videoarte e instalações artísticas, ela é autora de vários projetos que por parte dos pais da arte clássica, sem dúvida, o julgamento seria de uma arte extravagante, brega ou ridícula. Ultimamente se fala muito, em especial, de um destes trabalhos… E, verdade seja dita, não é tão surpreendente.

Para poder realizar o feito de acordo com o planejado, a mulher teve que contar simplesmente com três fatores. O que necessitava para obter os melhores resultados de seu trabalho era: um longo vestido preto (aparentemente inspirado na moda típica do século XIX), a água do Mar Morto e… O passar do tempo. O que, exatamente, ela queria alcançar com isto?

Desde que seu amor pelas águas mais salgadas do planeta começou a crescer há décadas, Landau decidiu começar a “colaborar” com este lugar único, inclusive em sua vida profissional. Muitas – mas não todas – de suas obras tem a ver com o Mar Morto, como o deserto da Judéia. Neste caso, pode-se visualizar sua casa situada na colina, em sua época de criança.

Em todo caso, um belo dia veio a sua cabeça o nome Salt Bride (que, traduzindo para o português, soaria como “namorada de sal”), que logo acabou se tornando uma de suas ideias mais assombrosas e inovadoras. Para realizar seu plano, submergiu um impressionante vestido preto na água do Mar Morto e decidiu esperar pelos resultados.

Ao final de dois anos, durante os quais ela tirou fotografias da peça, decidiu retirar o vestido da água e deixou todos atordoados como efeito conquistado. O sal marinho, cristalizando-se, cobriu todo o vestido e acabou alterando seu aspecto de maneira impressionante. O processo de criação desta obra de arte pode ser admirado nas fotografias que são exibidas em Londres (Marlborough Contemporary), durante todo o mês de setembro.

Vale salientar que entre exemplos das criações artísticas da engenhosa artista israelita, não só se encontra esta peça. Na verdade, este é um dos muitos objetos que Landau decidiu submergir nas águas deste mar e, passado um tempo, trazer de volta à superfície. Na fonte desta matéria você pode encontrar o site oficial da artista onde poderá apreciar outros dos seus trabalhos. Qual deles você gosta mais?

(Via agencia de noticia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *