Em 2012, Pimentel colocou documentos do BNDES sob sigilo. Mais de R$ 3,5 bi foram para Cuba e Angola

foto-pronta

Em abril de 2012, o então ministro do Desenvolvimento Fernando Pimentel, tornou secretos alguns documentos que tratavam de financiamentos do Brasil para os governos de Cuba e de Angola

O conteúdo dos papéis só poderá ser conhecido a partir de 2027. Foram desembolsados via BNDES US$ 875 milhões em operações de financiamento à exportação de bens e serviços de empresas brasileiras para Cuba e Angola.

Na época, o ministério disse ter baixado o sigilo sobre os papéis porque eles envolvem informações “estratégicas”  e dados “cobertos por sigilo comercial”.

Os atos foram assinados por Pimentel um mês após a entrada em vigor da Lei de Acesso à Informação.

O BNDES financiou operações para 15 países, totalizando US$ 2,17 bilhões, porém somente os casos de Cuba e Angola receberam os carimbos de “secreto” no ministério.

De acordo com o governo, isso ocorreu por que havia “memorandos de entendimento” entre Brasil, Cuba e Angola que não existiam nas outras operações do gênero.

O carimbo “SECRETO” engloba praticamente tudo o que cercou as negociações entre Brasil, Cuba e Angola, como memorandos, pareceres, correspondências e notas técnicas.

O ditador Raúl Castro afirmou que o Brasil bancava boa parte da construção do Porto de Mariel, a 40 km da capital, obra executada pela empreiteira Odebrecht.

(Via agencia de noticia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *