Eles invadem casa imunda e não acreditam quando veem que ELA estava sendo criada pelos animais

foto pronta

O impacto da descoberta foi ainda mais chocantes: a pequena Natasha Mikhailova havia sido criada pelos animais da casa e, portanto, achava que era um deles: andava de quatro, latia, pulava, rodeava a comida e bebia água com lambidas.

Natasha foi praticamente descartada pelo pai e os avós. Assim que nasceu, foi colocada junto com os cachorros e gatos da casa e tratada como um deles. Percebendo que a menina tinha sido abandonada pelos familiares, os cães a adotaram como filha e os gatos passaram a protegê-la como irmã.

Ela se tornaria o xodó de todos eles, que de certa forma percebiam os maus-tratos que a garota sofria. Então, eles trataram de garantir sua proteção e trabalhar para criá-la para ser forte e independente como todos eles. Foi assim que Natasha aprendeu a se virar para arrumar comida, beber e demonstrar afeto da mesma forma que faziam.

À noite, ela dormia com todos eles que a cercavam para garantir sua segurança. Na verdade, eles entendiam sua vulnerabilidade e se esforçavam para externar o afeto que tinham por ela.

E foi assim durante 5 anos. Até que um dia um vizinho notou algo errado e chamou a polícia.

O ambiente era tão hostil e imundo tanto para ela quanto para os animais, que as pessoas da equipe de resgate mal conseguiam respirar.

Os vizinhos relataram que não sabiam da existência de Natasha, uma vez que ela nunca havia saído para fora de casa. Natasha foi tirada às pressas da residência e levada para um centro de reabilitação. Ela estava debilitada e precisava urgentemente de tratamento.

Os médicos descobriram que ela não tinha retardo mental, mas carecia de contato humano. Um depoimento tocante da chefe do centro revelou que Natasha carecia de atenção e costumava latir e pular sempre que ficava sozinha no quarto.

Os familiares da menina foram presos e condenados a anos de prisão. Os gatos e cachorros que tinham sido a verdadeira família de Natasha foram recolhidos do lugar e entregues a uma casa de adoção. Sem dúvida, segundo os especialistas, foi graças a eles que Natasha sobreviveu por tanto tempo. O contato entre ela e sua “família” animal ainda perdura.

Aos poucos, Natasha foi se soltando e permitindo se aproximar dos humanos e, aos poucos, descobriu como era a vida do lado de fora. No entanto, alguns hábitos caninos continuaram como se alimentar diretamente da tigela e, o mais espantoso, a sua intensa ternura em demonstrar afeto a todos que a rodeiam do mesmo jeito que fazem os animais- algo que o homem ainda não é capaz de fazer.

(Via agencia de noticia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *