Durante a faxina, esta mulher encontra ISSO do seu marido. Não tenho mais lágrimas.

foto-pronta

Julia está casada há mais de 50 anos. Ao longo destas décadas, seu marido, Tadeu, foi seu grande companheiro e seu primeiro e único amor. Entre alicerces de certeza, tudo desmoronou faz alguns poucos anos. Júlia não sai do lado de seu amado, mas ela já não sabe quem ele é. Nos últimos tempos, suas conversas não fazem sentido e seu olhar está quase sempre distante. Ela sente saudades estranhas, de alguém que está vivo e presente.

Durante intermináveis dias e noites, os dois percorrem juntos mundos ora reais, ora fantasiosos. O casal idoso caminha numa corda bamba, balançando entre o ontem e o hoje, e sem saber como será o amanhã. Júlia chora, mas sabe que precisa aceitar esta terrível realidade: Tadeu tem Alzheimer. Se em alguns dias ele se lembra da família e de todos os anos juntos, noutros, a doença o traga para um buraco negro esvaziado de seu ser.

Porém, justamente num destes dias em que Tadeu não sabe em que cama acordou, Júlia ganha um inesperado presente. Ela está limpando a casa, quando encontra a seguinte carta escondida na mesinha de cabeceira:

foto-pronta

“Querida Júlia:

Eu estou te escrevendo agora, enquanto você dorme, caso amanhã não seja eu que acorde ao seu lado.

Nessas viagens de ida e volta, eu passo cada vez mais tempo do outro lado, e em uma delas, quem sabe? Eu temo que não tenha retorno.

Caso amanhã eu não seja capaz de saber o que está acontecendo comigo. Caso amanhã eu não possa mais te dizer o quanto eu aprecio e admiro sua integridade, este seu empenho em estar ao meu lado, tentando me fazer feliz, apesar de tudo, como de costume.

Caso amanhã eu não tenha mais consciência do que você faz. Quando você coloca pedaçinhos de papel na porta para que eu não confunda a cozinha com o banheiro; quando você consegue me fazer rir por ter colocado os sapatos sem meias; quando você insiste em continuar a conversa mesmo que eu me perca a cada frase; quando você se aproxima disfarçadamente e sussurra no meu ouvido o nome de um dos nossos netos; quando você reage com ternura aos meus ataques esporádicos de ira, como se algo dentro de mim se rebelasse contra este destino que me tem como prisioneiro.

Por essas e por tantas outras coisas. Caso amanhã eu não me lembre mais do seu nome, nem do meu.

Caso amanhã eu não possa dizer obrigado.

Caso amanhã, Júlia, eu não seja capaz de dizer, ainda que uma última vez, EU TE AMO.

Sempre seu.

T.A.M.R “

É quase impossível ler estas palavras sem deixar escapar ao menos uma lágrima. Esta carta é uma linda prova de amor, apesar da tristeza e do esquecimento trazidos pela doença. Aos familiares de alguém com Alzheimer, cabe seguir lembrando de quem é aquela pessoa, mesmo que ela mesma já não saiba mais.

Porém, não apenas os afetados por este problema deveriam seguir este caminho. Valorizar aqueles que estão perto de nós e nos amam é um exercício a ser feito todos os dias. Se adiamos e esquecemos, de repente pode ser tarde demais. Compartilhe este artigo com sua família e amigos. Aproveite a oportunidade para dizer o quanto eles são importantes! Vida longa ao amor!

(Via agencia de noticia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *