Bebê passa por cirurgia após nascer com língua duas vezes maior que a boca

foto-pronta

Você consegue acreditar em algo assim? Muito provavelmente você nem sabia que isso era possível. Mas a menina de 16 meses, Paisley Morrison-Johnson, está aqui para provar o contrário.

Logo em seus primeiros dias de vida, a pequena Paisley teria tido sérios problemas para respirar e precisou de ajuda antes que engasgasse até a morte. O motivo para isso? A síndrome Beckwith Wiedemann (BWS), uma doença rara de supercrescimento que já afetou 14,000 bebês no mundo.

Foi ela a responsável por deixar a língua da menina duas vezes maior do que sua boca. Ou seja, não havia como ela se alimentar. Assim, foi necessária a utilização de um tubo em seu estômago até seus seis meses de vida.

No dia de seu nascimento, os médicos ficaram preocupados já que era possível que aquele problema acabasse afetando suas vias aéreas, sufocando-a. Por isso, Paisley acabou sendo incubada com um “respirador” em seus primeiros três dias de vida e ainda teve que usar um cateter nasal de oxigênio.

Felizmente, com um mês de vida, a menina já conseguia respirar sozinha. A única outra questão era sua alimentação. E apesar das tentativas em alimentá-la com uma mamadeira, o que realmente deu certo foi colocar um tubo levando o leite diretamente para seu estômago.

Mas Paisley não poderia viver dessa forma, não é mesmo?! Os pais, Madison Kienow e Shannon Morrison-Johnson, que não aguentaram vê-la daquele jeito, decidiram então que a melhor escolha era uma cirurgia para retirar partes de sua língua.

Para a surpresa de todos, ela continuou a crescer mesmo após o procedimento. Foi só depois de seis meses quando a meninapassou por uma segunda cirurgia de redução que um sorriso surgiu pela primeira vez em seu rosto. Isso só aconteceu depois de 15 cm de músculo ter sido removido.

Segundo o estudante de medicina e também pai da menina, Kienow: “Sua língua preenchia totalmente sua boca. Era muito espessa e se projetava para fora de sua boca. Parecia que ela tinha a língua do tamanho da de um adulto. Ela ficava saindo o tempo todo e ela a mastigava continuamente, porque ocupava muito espaço em sua boca”, disse.

Agora, finalmente, Paisley será capaz de falar suas primeiras palavras. “Desde a recuperação, ela sorriu pela primeira vez. Eu não podia acreditar e estava realmente chocado em quão bonita ela era. Ser capaz de vê-la sorrir é incrível para nós e agora ela não está tendo dificuldades para comer, o que é um grande alívio”, conta o pai.

E continua: “Ela é um bebê completamente diferente – seu rosto parece diferente, ela sorri bastante e ela está bem perto de falar suas primeiras palavras. Ela não conseguia nem emitir sons para dizer palavras como ‘mamãe’ e ‘papai’ antes, por causa do tamanho de sua língua. Então, essa é uma grande conquista”.

Para falar a verdade, esse crescimento “inusitado” da língua, chamado de macroglossia, é apenas um dos sintomas da síndrome. Outros sintomas incluem dobras atrás das orelhas, um lado do corpo mais largo que o outro e um peso acima do normal no nascimento.

Além disso, os pais também tiveram que lidar com os comentários maldosos de pessoas que simplesmente não entendiam o problema de Paisley.

Por enquanto, os médicos não veem necessidade de uma terceira cirurgia. “Desde sua segunda cirrugia, sua língua não cresceu muito e não está afetando-a na hora de comer ou beber de uma garrafa, o que é ótimo. Ela parece muito feliz e está sendo muito bem cuidada, então estamos muito confiantes sobre seu futuro”, disse o pai.

Aparentemente, tudo está se resolvendo. Tomara que a língua não volte a crescer.

(Via agencia de noticia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *