Após assistir filme pornô, menino de 12 anos é acusado de abusar sexualmente da irmã

foto-pronta

O caso ocorreu no Reino Unido, em 2015, mas só foi reportado agora devido a uma audiência no Tribunal Cheltenham Magistrates Court, realizada no dia 4 de novembro. De acordo com informações do jornal ”Mail Online”, um menino de 12 anos foi acusado de abusar sexualmente de sua irmã de nove anos. O #Abuso Sexual teria ocorrido após o garoto ficar fascinado por sexo ao assistir um filme pornô na internet, decidindo fazer o mesmo com a irmã caçula.

O caso só foi descoberto depois que a menina decidiu contar para a mãe o que o irmão estava fazendo com ela. O menino, por sua vez, alegou que a irmã havia concordado em fazer sexo com ele. Desde então o caso foi parar na delegacia e hoje, aos 14 anos, o adolescente está internado em uma clínica de tratamento supervisionado, onde é constantemente avaliado por psicólogos.

De acordo com Lan Feny, promotor responsável pelo caso, o garoto teria feito chantagem emocional para convencer a irmã a se relacionar com ele. Na ocasião ele teria dito para a irmã que, se ela não fizesse sexo com ele, os dois nunca mais seriam irmãos. No fim a menina acabou se submetendo à chantagem. Na ocasião o sexo entre ambos era praticado no quarto da menina, em um período em que o irmão tinha a certeza de que ambos não seriam incomodados.

O advogado de defesa, Gareth James, afirmou que o abuso sexual foi cometido como parte de uma experiência sexual. Ele ainda ressalta que, na época do crime, o adolescente estava entrando no período da puberdade, processo que faz com que os adolescentes sintam atração por pessoas do sexo oposto ou do mesmo sexo. Gareth alegou ainda que seu cliente foi exposto a pornografia com incesto hardcore, o que é inapropriado para uma pessoa de sua idade. Segundo ele, o vídeo pornô acabou estimulando o adolescente a praticar o mesmo com a irmã. Para concluir a defesa, ele tratou do caso como uma experimentação sexual, embora inadequada.

O juiz, Joti Bopa Rai, responsável pelo caso, determinou que garoto deverá continuar na unidade de tratamento supervisionado por mais cinco anos. O adolescente está proibido de se aproximar de pessoas menores de 16 anos de idade. Além disso, ele não poderá mais entrar em contato com sua irmã. Entretanto ele tem permissão para acessar a internet, mas não poderá apagar os históricos de pesquisa, uma vez que os computadores utilizados pelo jovem serão monitorados pela polícia.

(Via agencia de noticia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *