Aos prantos, a mãe segura a cabeça internamente decapitada do filho. 6 horas depois, o inimaginável acontece.

foto pronta

Rylea Taylor mora com a família em Melbourne, na Austrália. Um dia, ela pega a estrada com os dois filhos: Shane, de 9 anos, e o pequeno Jackson, de apenas 16 meses. Rylea está acostumada a dirigir, e com as crianças no carro ela toma ainda mais cuidado. Tudo corre bem. Rylea consegue ver as crianças no espelho retrovisor, ela sorri. Um segundo depois, seu carro bate de frente em um choque violento com outro veículo.

A mãe e a filha mais velha não se machucam, mas Jackson acaba inconsciente na cadeirinha de bebê. “No instante em que tirei Jackson do carro, percebi que seu pescoço estava quebrado,” lembra Rylea, o rosto coberto de lágrimas. O impacto foi tão violento que fez com que Jackson fosse praticamente decapitado internamente. Em outras palavras, era pouco mais que a pele segurando sua cabeça no lugar! Por um milagre que os médicos não explicam, ele sobreviveu e foi levado às pressas de helicóptero para Melbourne.

O cirurgião encarregado, Dr. Geoff Askin, conta que nunca tinha visto um caso assim: “Muitas crianças sequer sobreviveriam à cirugia, quanto mais ao acidente. E se, durante a operação, precisassem ser ressuscitadas, as chances são grandes de que acabassem em estado vegetativo.” Após 6 horas muito tensas no bloco cirúrgico, os médicos conseguem reconectar as vértebras cervicais usando fios de arame e um pedaço de uma das costelas de Jackson.

Jackson agora precisa usar um suporte que mantém sua cabeça no lugar para que as vértebras possam se reconstituir. Enquanto isso, ele corre pelo hospital e enlouquece os enfermeiros com tanta energia! Rylea e o marido Andrew ainda se emocionam quando pensam na sorte que o filho teve, dadas as circunstâncias. “A nossa gratidão não tem palavras. É um verdadeiro milagre!”

Que história incrível! A cabeça de Jackson acabou desconectada de seu corpo – e ele sobreviveu! Se este garotinho, que certamente tem um santo pra lá de forte, te impressionou, compartilhe sua história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *