A filha dela acorda com as pernas cobertas de hematomas. O motivo vai te chocar.

foto pronta

A pequena Bo August, de apenas quatro anos, da Ing;aterra, é um verdadeiro furacão e gosta de dar as ordens quando brinca. Mas, de uma hora para outra, a vida dela muda para pior. Em fevereiro de 2015, ela teve catapora e seus pais, Julia e Dan, a princípio, não suspeitaram de nada. Mas pouco tempo depois, eles notaram que a menina estava tendo problemas para andar.

Em uma manhã, a filha deles acorda com hematomas misteriosos cobrindo as duas pernas e até a sola dos pés. Os pais levam a menina imediatamente para o hospital. Lá, eles diagnosticam Bo com uma doença rara: Púrpura Fulminante. Esta é uma desordem trombótica aguda que pode se manifestar como pontos de sangue, hematoma e descoloração da pele, resultando em coágulos de sangue, que no pior dos casos, pode levar à morte em poucas horas.

A pequena Bo é levada para a UTI. “Eu perguntei ao médico se ela corria risco de morte, e ele respondeu que ela corria risco de morrer ou de perder as pernas”, disse a mãe de Bo. Os pais da menina têm que encarar a cruel realidade que sua filha poderia perder as pernas, ou até algo que nunca imaginariam, ela poderia perder a vida. A defesa do corpo de Bo à catapora causou uma complicação perigosa, que resultou no fluxo sanguíneo coagulado, e por consequência, bloqueado. A menina recebeu um coquetel de 12 diferentes medicamentos, várias transfusões de plasma e três enxertos de pele.

foto pronta

Bo passou 10 semanas no hospital, usou cadeira de rodas, e teve até que reaprender a andar. Mas a menina alegre e amorosa sobreviveu à provação e conseguiu manter suas duas pernas. Ela vai, no entanto, lembrar da experiência traumática por muito tempo, e terá que usar meias de compressão por um ano.

“Eu quero alertar sobre esta doença, porque é o pesadelo de todos os pais serem avisados de que seu filho pode morrer ou perder alguma parte do corpo por causa da catapora”, disse a mãe de Bo.

Enquanto isso, Bo está saudável mais uma vez e vai à creche normalmente. Ela tem tanta confiança em si mesma, que mostra a cicatrizes de suas pernas para os amigos. Os pais dela, no entanto, provavelmente nunca poderão esquecer o fato de que ela quase foi amputada, e tudo por causa de uma doença inofensiva da infância.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *